terça-feira, 18 de setembro de 2012

A força de uma criança

A força de uma criança

Só consegue entender a força de uma criança
Aquele que a vê lutando para sobreviver
Sorriso maroto, um brilho no olhar
Risadinha abafada
Há esperança no ar
Presa entre leitos, remédios, injeções
Brinca faceira com a luva-balão
Afago de um anjo-enfermeiro

No pequeno espaço em que pode brincar
Rodopia, rodopia na cadeira de rodas
Cantando, sonhando, fingindo não ver
As lágrimas rolando de uma mãe a sofrer
Coração apertado, forte, nem tanto
Respira a esperança, engole o soluço
Esconde a dor brincando com a criança

Entre as ferragens do cinzento prédio
O sol aparece aquecendo os pequenos
Mães aflitas desejam escapar
Voar, sumir, contando os dias
A cura a chegar
Crianças alheias às mães aflitas
Unem-se às outras, em jogos, em cantos
Com sôro, com febre, com a vida entre os dedos
Brincam, sorriem, em frente
Lutando para sobreviver

03/09/12 Hospital Unicamp - Estava aguardando meu filho a ser operado

Nenhum comentário:

Postar um comentário